Crítica: LOGICOMIX – uma jornada épica em busca da verdade

Logicomix-capa

Por Danilo Bittencourt

Mais do que uma biografia em quadrinhos, Logicomix é uma amostra das potencialidades da nona arte e de sua capacidade de manusear tempo e espaço, contando, de maneira não muito convencional, a trajetória de um dos maiores pensadores do século XX: Bertrand Russell. Nascido em 1872, Russell foi matemático, lógico e filósofo. Além das suas contribuições acadêmicas, ficou conhecido pelo grande público por sua militância pacifista e pelo Prêmio Nobel de Literatura em 1950. Este álbum, escrito por Apostolos Doxiadis e Christos Papadimitriou, com desenhos de Alecos Papadatos e cores de Annie Di Donna, começa na Grécia, berço de muitas das ideias que influenciaram Russell. Mas, ao contrário do que poderíamos esperar, quem passeia pelas ruas de Atenas não é o filosofo, mas os próprios quadrinístas.

Logo nas primeiras páginas, percebemos que a trajetória de Russell será contada de uma maneira um pouco diferente. Ao invés da simples ordem cronológica, partindo da infância do matemático, no País de Gales, Logicomix apresenta três linhas de tempo e espaço, abordadas em alternância. Na primeira, acompanhamos, com a presença dos autores, os bastidores da produção da HQ. Temos acesso ao processo criativo do grupo, com direito a debates sobre uma “licença quadrinística”, capaz de ignorar o irmão mais velho de Russell. Destacaria, mais ainda, as observações de Papadimitriou. Ele, professor da Universidade da California, funciona como uma espécie de “nota de rodapé incluída na história”, esclarecendo pontos de possível confusão acerca dos conceitos lógicos e matemáticos. Temos então outra linha, a segunda, que dá conta de uma importante palestra conduzida por Russell nos EUA, às vésperas da Segunda Guerra Mundial (1939). Defendendo sua visão pacifista, o Russell maduro faz uma retrospectiva de sua trajetória, o que nos dará uma terceira linha de acontecimentos. Enfim acompanhamos os caminhos percorridos pelo pensador, da infância à idade adulta.

Russell0002resized

Mas, como não se confundir neste emaranhado temporal? Logicomix apresenta uma eficiente estratégia baseada em assinaturas gráficas, que definem com clareza, de que linha trata cada vinheta (figura acima). Além das diferenças de cenário, objetos e figurino, que demarcam muito bem as diferentes épocas – décadas de 2000 e 1930, além de boa parte do fim do século XIX e inicio do XX – ainda temos, por exemplo, requadros de vértices arredondados nos momentos da palestra, além da presença de legendas em que Russell narra seu passado, indexando suas memórias.

logicomix1

Logicomix pode parecer, à primeira vista, uma banda desenhada tão complicada quanto certas formulas matemáticas. Porém, além do bom uso dos recursos visuais, é muito fácil se deixar cativar pela figura de Bertrand Russell. De origem nobre e orfão aos quatro anos, o lógico foi criado por sua avó, uma mulher extremamente religiosa. Perseguido, durante toda sua vida pela grande recorrência dos problemas mentais na família, Russell temia ficar louco. Para sua avó, a esperança estava na religião. Para ele, na razão. Até mesmo nos piores momentos:

“Eu teria dado fim à minha vida ali mesmo… se não fosse a esperança trazida pela razão… a visão de um mundo totalmente lógico que eu tinha vislumbrado através da matemática”.

Ler Logicomix é também acompanhar as transformações que marcam o período vivido pelo lógico. Não faltam, nas suas 352 páginas, referências ao teatro (Ibsen), à poesia (Shelley) e à literatura (Turgueniev), entre outros. E as artes não aparecem apenas como marcações de determinados momentos históricos. Elas interferem diretamente no pensador, reverberando em suas ações. O traço de Papadatos é firme e dá precisão às formas. Como o desenho não tem hachuras, o sombreado fica à cargo das cores de Donna. Os personagens são representados em um ponto, entre o icônico e o realista, que os coloca em uma atmosfera mais descontraída, em contraste com o tema. Sua aparência de “desenho animado para crianças” retira o peso da “biografia de um matemático”, seduzindo o leitor, que muitas vezes tem uma relação traumática com os cálculos, levando-o para um mundo novo a ser explorado.

Segue, logo abaixo, o Making Of de Logicomix:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s