Sandero R. S. Race

equipe-new.jpg.ximg.l_12_m.smart

por Amanda Aouad

Não é de hoje que a publicidade busca o entretenimento para chamar a atenção do seu público-alvo. Produtos chamados de Branded Content (Conteúdo de Marca) são cada vez mais comuns na internet.

Pensando nisso, a Renault encontrou uma forma óbvia e ao mesmo tempo criativa de lançar o seu novo carro, o Sandero R.S. Race, primeiro carro Sport da marca totalmente produzido no Brasil. Com uma websérie, ele conseguiu chamar a atenção, construindo um Branded Content criativo e divertido.

A fórmula é simples, duas equipes em uma disputa com cinco fases que geraram cinco episódios de em média cinco minutos cada. Cada equipe era composta por uma celebridade, um jornalista, um piloto e um fã da marca. A equipe vencedora do desafio daria ao fã um carro Sandero R.S. Race, sendo também uma forma de promoção.

timthumb

Comandando a equipe S estava o humorista Antonio Tabet e na equipe R, Felipe Andreoli, ambos conhecidos pela veia cômica , e esse acaba sendo o tom da webserie, vide as piadas, as provocações e as punições para os perdedores. Tanto que, com exceção da última prova, no episódio 5, que foi uma corrida de fato, as tarefas sempre envolviam os carros, mas com alguma questão inusitada, como dirigir por um percurso com o motorista de olhos vendados, ou ter que ler placas na pista passando em alta velocidade.

Com esse formato de competição, a websérie conseguiu ter uma dinâmica interessante, mesclando cenas dos carros na pista que ajudavam a vender o produto, com o burburinho dos bastidores. Provas assim também geram curiosidade e envolvimento. Vide os programas de auditório e reality shows.

Detalhe que a única prova que terminou empatada foi a prova quatro que consistia em um desafio onde as duas celebridades tinham que vender um carro na concessionária. Nenhum dos dois conseguiu e o próprio gerente falou que não era mesmo uma tarefa fácil, tendo naquele dia vendido apenas sete carros.

sandero-rs-race-ep-04.jpg.ximg.l_full_m.smart

Isso não deixa de ser sintomático, como se mostrasse que criar um branded content divertido e chamar a atenção para a marca fosse uma coisa, vender o produto já é outro caso. Envolve outros fatores que uma divulgação sozinha não abrange.

No final, a websérie Sandero R. S. Race se demonstrou uma experiência divertida. Com cortes rápidos e uma montagem dinâmica, nos faz participar junto daquelas provas, torcendo ou não por uma das equipes e conhecendo melhor o carro, principalmente nas provas três e quatro, onde ouvíamos detalhes técnicos do mesmo.

Como a prova quatro demonstrou, eu e muitos dos quase dois milhões de views de cada episódio provavelmente nunca compraremos um Sandero R. S. Race. Mas, algo desse carro e da Renault ficou em nossa mente, construindo alguma ligação inconsciente com a marca que pode vir a se manifestar no futuro. Não deixa, então, de ser um bom branded content.